Religião

Curuzu se prepara para posse de Doné Hildelice de Oxalá

por Patrícia Bernardes

O Terreiro Ilê Axè Jitolu se prepara para empossar a nova conselheira espiritual do Bloco Afro Ilê Aiyê - a yalorixá Hildelice Benta de Oxalá , filha de Mãe Hilda de Jitolú e irmã de Vôvô do Ilê.A cerimônia será no próximo domingo (07/08) às 20hs e marca a reabertura das atividades do Terreiro.

Em setembro de 2010 , a yalorixá falou da emoção e dos desafios de ter sido escolhida como a nova "matriarca espiritual" do bairro da Liberdade durante a Semana da Mãe Preta 2010.

Mãe Menininha do Gantois - Uma história de sabedoria 


Maria Escolástica da Conceição Nazaré - Nasceu em 10 de fevereiro de 1894 ,conhecida como Mãe Menininha do Gantois em razão do apelido menininha que recebeu na infância por ser quieta e franzina e sua posição no terreiro que assumiu. Era filha de Oxum.
Foi a quarta Iyálorixá do Terreiro do Gantois, e a mais famosa de todas as Iyálorixá brasileiras, foi sucessora de sua mãe Maria da Glória Nazareth e foi sucedida por sua filha Mãe Cleusa Millet.
Ela vinha de uma longa linhagem de Iyalorixás, as chefes dos terreiros de candomblé. O Gantois foi fundado em 1849, por sua bisavó Maria Júlia da Conceição Nazaré.
Na década de 20, foi escolhida para ser a Iyalorixá do terreiro em virtude da morte de sua tia-avó, Mãe Pulchéria, enquanto se preparava para assumir o cargo, sua mãe Maria da Glória Nazareth ficou por um curto período à frente do Gantois.
Aos 29 anos, casou com o advogado Álvaro MacDowell de Oliveira, descendente de ingleses. Com ele teve duas filhas, Cleusa e Carmem.

Admirada pela sabedoria, gentileza, conhecimentos, humildade e pulso firme, Mãe Menininha do Gantois foi a grande responsável pela difusão e popularização do candomblé na Bahia, conseguiu agregar pessoas de todas as religiões em seu terreiro, inclusive personalidades como Dorival Caymmi, Caetano Veloso, Tom Jobim, Antônio Carlos Magalhães e Vinícius de Moraes, que só tomavam decisões importantes após consultá-la. Neta de escravos africanos da tribo Kekeré, da Nigéria, ainda criança foi escolhida pelos santos do candomblé do terreiro fundado pela bisavó, o Axé La Masse, como mãe-de-santo (ialorixá). Iniciada tia, assumiu o topo da hierarquia da religião ao completar 28 anos. Ditando as regras e comandando o terreiro, conhecido como Gantois, conseguiu maior respeito e aceitação do candomblé por outras religiões e pelo poder político, que perseguia e condenava os praticantes dos rituais. Seu mérito estendeu-se também à modernização do candomblé: mesmo abrindo as portas para integrantes e pessoas de outros cultos e religiões, não deixou que se transformasse em exploração folclórica e turística. Um modelo de vitalidade e bondade, conciliou as atividades do terreiro com a família, realizando obras de caridade.
Em uma entrevista dada a revista IstoÉ, mãe Carmem, filha de mãe Menininha do Gantois, conta que ela adorava assistir telenovelas, sendo que uma de suas preferidas teria sido Selva de Pedra. Era colecionadora de peças de porcelana, louça e cristais, sobre os quais guardava muito zelo. Não bebia Coca-Cola, pois certa vez lhe disseram que a bebida servia para desentupir os ralos de pias, e ela temia que a ingestão da bebida fizesse efeito análogo em si.Faleceu de causas naturais aos 92 anos de idade.
Foto: Almanaque Brasil 

 

ADIAMENTO DA SEMANA DA MÃE PRETA 2010


O Bloco Afro Ilê Aiyê informa que devido à cerimônia de Asèsé de um ano de Mãe Hilda de Jitolu (Rito Funeral dos Candomblés do Brasil) em andamento neste período no Terreiro Ilê Axé Jitolu, a Semana da Mãe Preta 2010 que seria iniciada nesta segunda (20) foi adiada. Jaci Trindade informa que uma nova data será marcada e o motivo do adiamento foi à ausência de tempo hábil para a realização das palestras e oficinas na Senzala do Barro Preto.

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta