quarta-feira, 19 de julho de 2017

Refugiado sírio fatura R$ 1,2 milhão com sanduíche típico do seu país em São Paulo


O refugiado sírio Eyad Abuharb chegou a São Paulo há dois anos e meio, fugindo da guerra em seu país. Ele logo procurou mesquitas e a comunidade árabe em busca de um lugar para morar e de trabalho.
Conseguiu emprego em um restaurante árabe, onde trabalhou por um ano, até juntar um dinheiro e começar seu próprio negócio: um pequeno restaurante na região do Brás, o New Shawarma.

O carro-chefe do restaurante de pouco mais de 8 metros quadrados é o sanduíche shawarma. A iguaria é típica da Síria e de outros países do Oriente Médio. Leva carne ou frango, pasta de alho, picles e batata frita – tudo dentro do pão sírio. A carne é marinada em um molho especial durante uma semana.

Com um preço camarada, apenas R$ 10, o restaurante vende, em média, 200 unidades por dia. Em 2016, o restaurante faturou R$ 1,2 milhão. O local também vende outros itens, como falafel – bolinho frito de grão de bico –, sujuk – sanduíche de carne picante –, além de refrigerantes e sucos. Desde março, o restaurante faz entregas no Brás.

O sucesso das comidinhas despertou a curiosidade do chef Henrique Fogaça, jurado do programa MasterChefBrasil, da TV Bandeirantes. Fogaça visitou a cozinha do New Shawarma e provou a iguaria. Não só provou, como aprovou, convidando Abuharb para participar de um episódio do programa Rolê do Chef, do canal TLC, em que juntos preparam um jantar com pratos típicos da culinária síria para um grupo da comunidade áraba em São Paulo.


Em entrevista ao Uol, Abuharb comentou a experiência: “Foi demais, o programa me deu muita exposição”. Agora, o chef já começa a querer expandir o negócio. Ele planeja abrir um segundo ponto nos Jardins ou “outro bairro de poder aquisitivo”. “No Brás, já tenho boa clientela. Vai chegar o momento de crescer e ir para outros locais da cidade, onde o restaurante tenha chances de se tornar mais conhecido e atrair mais gente”, disse Abuharb.


Via Razões Para Acreditar
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta