sábado, 1 de julho de 2017

Jornalista lança mapeamento de escritoras negras da Bahia

O projeto contempla três diferentes produtos: um site, um ciclo de ofinal e um e-book bilingue


A escritora e jornalista Calila das Mercês lançará o projeto “Escritoras Negras da Bahia”, que traz um mapeamento e diagnóstico das escritoras negras da Bahia e do acesso a grupos minoritários à arte e literatura.

“Na Bahia, um estado em que a população negra é maioria, prestigiamos grandes escritores homens, mas temos também grandes escritoras mulheres negras, e é sensato termos acesso ao que elas retratam por meio de falas plurais. O busca criar um espaço em que a comunidade negra possa se sentir mais representada e leitores, em geral, possam ter acesso à pluralidade de representações e de autoras baianas que fazem arte literária de qualidade”, explica Calila.

O projeto contempla três diferentes produtos: o primeiro deles é o website www.escritorasnegras.com.br, que será lançado no dia 7 de julho, trazendo um mapeamento e diagnóstico das escritoras negras da Bahia, com acesso às redes sociais e blogs dos seus trabalhos, além de um perfil com histórico sobre a arte literária e atuações. “A ideia do site é fomentar a produção literária na Bahia, porque quem é da área sabe a dificuldade que é viver de literatura, principalmente para a mulher negra”, explicou Calila.

Além do site, o “Escritoras Negras da Bahia” promoverá, entre 7 e 20 de julho, um ciclo de oficinas voltadas a mulheres de comunidades afro-indígenas, nas cidades de Alcobaça, Caravelas e Prado (Cumuruxatiba), Extremo Sul da Bahia, e duas palestras – uma na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus de Teixeira de Freitas, e outra no Fórum de Cultura, em Caravelas. Ao todo, serão mobilizadas 180 mulheres para tratar de temas como literatura, cinema, tecnologia e resistência, com as presenças das pesquisadoras Kênia Freitas, doutora em Comunicação e Cultura da UFRJ, e Raquel Galvão, doutoranda em Teoria e História Literária da Unicamp.

O último produto do projeto é um e-book bilingue (Português e Inglês), com textos acadêmico-culturais relacionados à negritude e à autoria negra, perfis de escritoras negras e intervenções artísticas na Bahia. “O diferencial do projeto é o ineditismo e também o alcance que ele terá, não apenas para potencializar uma única escritora, mas para fortalecer um coletivo de mulheres negras que fazem arte literária”, concluiu Calila.


Por Clara Rellstab, do Bahia.BA
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta