terça-feira, 4 de julho de 2017

Apple construiu escritório para adultos, o triunfo póstumo de Steve Jobs


Uma espaçonave gigante aterrissou em Cupertino. Nas próximas semanas, os 12 mil funcionários da Apple começarão a se transferir para seu novo edifício com cara de disco voador, cuja construção durou oito anos e supostamente custou US$ 5 bilhões —o que faz dele o escritório mais caro do planeta.

O Apple Park é o triunfo póstumo de Steve Jobs; como projeto motivado pela vaidade, ele mais ou menos se equipara ao Palácio do Povo do ditador comunista Nicolae Ceausescu, em Bucareste.

Jobs detalhou as especificações como um verdadeiro maníaco por controle —o que ele era—, insistindo em portas impecáveis e no uso de pedras de uma pedreira do Kansas que passam por um processo de desgaste artificial para se assemelharem às paredes de um hotel em Yosemite do qual ele gostava. O capricho obsessivo e a grandiosidade do projeto fazem com que o mármore encomendado por Jacques Attali para a sede quando ele era presidente do Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (Berd) fique com cara de capacho.

Se eu fosse acionista da Apple, não estaria feliz. Exagerar na decoração da sede quase sempre quer dizer que a calamidade está a caminho. As coisas não terminaram bem para a Romênia de Ceausescu e para o Berd de Attali.

Se eu morasse em Cupertino, tampouco gostaria da obra. O Apple Park tem pelo menos 9.000 vagas de estacionamento, o que significa circulação excessiva de carros. É melhor para as cidades que os escritórios fiquem no centro, para que as pessoas não precisem se deslocar tanto e possam sair na hora do almoço a fim de gastar dinheiro em lojas locais.

Mas em meu papel de observadora de escritórios, estou dando pulinhos de alegria. Nas duas últimas décadas, três coisas ruins aconteceram com o design de escritórios, e o Apple Park põe fim a todas elas.

Primeiro, perdemos de vez a confiança nos escritórios, agora que trabalhadores nômades preferem trabalhar de casa ou de um café. O edifício de Jobs é um hino à importância dos escritórios em geral. Os críticos resmungam sobre a possibilidade de que o edifício se torne um elefante branco caso a Apple quebre, mas isso não é relevante. O que o Apple Park diz, alta e claramente, é que "estamos aqui para ficar e, com isso, construímos algo de bonito onde nosso pessoal possa trabalhar todos os dias".

A segunda coisa ruim é a confusão entre casa e trabalho. Os projetistas de escritórios que estão na moda adoram fazer com que espaços de trabalho se pareçam com os apartamentos horrendos de hipsters imaginários - o escritório do Airbnb em San Francisco está repleto de espaços com cara de salas de estar descoladas, cozinhas e até mesmo uma "caverna para nerds".

Até onde consigo ver, assistindo a um vídeo sobre a nova sede no YouTube e lendo a resenha inicial da revista "Wired" sobre ela, o edifício da Apple foi construído com base na ideia de que trabalho e casa são distintos. Não há nem mesmo serviços de creche no local, o que também representa progresso. Eu nunca quis que meu empregador cuidasse dos meus filhos. Queria contratar pessoas que eu escolhesse para me ajudar a tomar conta deles, e sair do trabalho na hora certa para assumir a tarefa, no final do expediente.

O mais radical é que o Apple Park foi feito para adultos. Nas duas últimas décadas, os escritórios vêm sendo construídos como se fossem abrigar alunos do ensino básico. O Google é líder mundial na infantilização da força de trabalho, com gramados de croquê feitos de grama artificial e escorregadores.

No escritório da empresa em Tel Aviv, o pessoal faz reuniões em ridículas cápsulas voadoras —cestas com hélices no topo. Essa tendência perniciosa —feia, estúpida e eivada de preconceito de idade— surgiu no Vale do Silício e se espalhou. Mesmo na quadradíssima sede nova da Confederação da Indústria Britânica em Londres, a decoração usa cores primárias, cápsulas e murais engraçadinhos.

O Apple Park deu as costas à diversão e escolheu a beleza, em lugar dela. Beleza é algo de sério e adulto —como o trabalho deveria ser.

O edifício tem duas outras vantagens: a democracia e o verde. Os escritórios fingem ser igualitários há décadas, mas enquanto permanecerem em edifício altos, o presidente-executivo sempre estará no topo. A espaçonave da Apple tem só quatro andares, e todo mundo terá a mesma vista, a melhor para um trabalhador: árvores. Cerca de nove mil delas serão plantadas - quase uma por pessoa.

O único escorregão é a tentativa da Apple de justificar a despesa. A companhia afirma que o ambiente imaculado provavelmente levará seu pessoal a produzir trabalho imaculado. Isso é asneira: muitas das melhores invenções da história surgiram em galpões.

De qualquer forma, a Apple não precisa se justificar. Tem dinheiro para queimar, e escolheu queimá-lo em algo esplêndido para seus trabalhadores. Como acionista, eu talvez não gostasse disso. Mas se fosse um dos 12 mil trabalhadores envolvidos, estaria contando ansiosamente os dias até a mudança.


Tradução de PAULO MIGLIACCI - Via Folha de S. Paulo
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta