segunda-feira, 26 de junho de 2017

Miss EUA 2017 é negra, cientista e está entre as candidatas mais inteligentes da competição


A figura feminina é sempre associada à beleza estética, o que resulta em elogios, assédio e, infelizmente, na desqualificação de outras qualidades. Mas recentemente houve um marco histórico dentro de um disputado concurso de beldades. A Miss EUA 2017 é negra, cientista e uma das candidatas mais inteligentes já vistas na competição, segundo os próprios organizadores.

A coroa à Kára McCullough, que era até então a Miss Columbia, foi entregue no dia 14 de maio pelas mãos da oficial do exército, analista de TI e Miss EUA 2016, Deshauna Barber. Apenas no último dia da competição a antiga miss mostrou seu cabelo naturalmente crespo, em homenagem à mãe. A atitude foi bastante comentada na internet, vista como um ato de celebração pela liberdade das mulheres negras de usarem suas madeixas como quiserem.

Formada em engenharia química, a nova eleita tem 25 anos e trabalha na Comissão Reguladora Nuclear do Estados Unidos como especialista em preparação para emergências, cargo concedido a cientistas físicas nucleares.

Italiana nascida em Veneza, Kára cresceu na cidade norte americana de Virginia Beach e se graduou na Universidade Estadual da Carolina do Sul. Vencendo 50 candidatas, ela precisou responder a algumas perguntas sobre o cenário político do país, incluindo temas relacionados à saúde pública e ao feminismo. Na ocasião, declarou: “mulheres, somos tão iguais quanto os homens quando se trata de oportunidade no mercado de trabalho”.

A afirmação foi tida como um apelo pela igualdade entre os sexos, mas também gerou polêmica e dividiu opiniões nas redes sociais, pois segundo dados da Associação Americana de Mulheres Universitárias e outras instituições, ainda há um valor 20% menor no salário das mulheres atuantes no mesmo cargo de homens.


 

De qualquer forma, isso não anula os méritos e conquistas da nova Miss EUA, que é um símbolo de representatividade. Ela também gostaria de incentivar as meninas a seguirem na carreira científica, tema bastante em alta após o sucesso do filme “Estrelas do Além do Tempo”, que conta a história real de três funcionárias negras da NASA, que colaboraram com a chegada do homem à lua.

O próximo passo da cientista será de representar o país no Miss Universo 2018, ainda sem data para acontecer.


Via Razões Para Acreditar
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta