segunda-feira, 22 de maio de 2017

Da abolição até hoje: Museu Afro Brasil recebe três exposições

Com visitação até julho, mostras envolvem escravidão, artes afro-brasileiras e objetos populares da história de São Paulo

As três exposições estarão abertas até julho no Museu Afro Brasil (Leonardo Dias e Alexandre de Medeiros/Divulgação)

Manuscritos, fotografias e esculturas integram as quase 250 obras que constituem a exposição A Quem Interessar Possa – Trajetos e Trejeitos de São Paulo, que traz uma representação da cidade de São Paulo, através de artistas como Aldemir Martins e Antonio Henrique Amaral.

A curadoria tenta transmitir a energia e as vibrações da metrópole em uma viagem saudosista por seus 463 anos, por meio de objetos históricos como molduras produzidas pelo Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo e outros conhecidos de consumo popular, como discos de vinil, mapas antigos e cartões postais.


Parte da exposição A Quem Interessar Possa – Trajetos e Trejeitos de São Paulo (Leonardo Dias e Alexandre de Medeiros/Divulgação)
1888

O ano que marcou a abolição da escravatura no Brasil dá nome à terceira exposição temporária do Museu Afro Brasil. Com 1 200 fotografias de congadas e 14 esculturas em ferro, entre outras obras do artista Ferrão, a exposição é descrita por Emanoel Araújo como “a reparação de mais de trezentos anos de sangue derramado, de dor, de sofrimento, de brutalidade, de inconsciência, de terror, de marcas tão terríveis que parecem que nunca serão saradas”. 

Ainda há outras obras, como oratórios feitos a partir da reciclagem de caixas de papelão, representando sete orixás.


Instalação 1888 do artista Ferrão (Iago Ferrão/Divulgação)

As três exposições estão abertas para visitação até 9 de julho no Museu Afro Brasil, em São Paulo. Ele fica dentro do Parque Ibirapuera, com acesso pelo Portão 10. O horário de funcionamento é de terça a domingo, das 10h às 17h. Os ingressos custam 6 reais (inteira) e 3 (meia). Aos sábados, a entrada é gratuita.


Via 
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta