domingo, 9 de abril de 2017

Poema Falado - Flor à Iemanjá


Os meus pés não sentem mais o chão 

Já não afundam como antes 

Apenas sigo adiante ao fundo 

Embalado pelo ritmo de sua canção 




A melodia do azul das ondas 
Quando se confunde com o bege 
Gritando em brancas espumas 
Faz com que eu, por hora, suma 

E o maestro que rege 
Esta orquestra dessincronizada 
Já não habita aqui há tempos... 
Tudo, então, como queiram os ventos 

Nessa confusão de cores e sons 
O mar invade cada vez mais o meu corpo 
Por dentro e por fora... 
E assim deixo 

Deixo porque agora 
Descobri que somente sendo 
Inteiramente seu 
Sou inteiramente meu

(Augusto Barros)


Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta