segunda-feira, 24 de abril de 2017

Horta permite convivência e troca de experiências entre gerações

(Por Claudia Corbett)

Todas as manhãs crianças, adolescentes e idosos têm um compromisso em comum no Centro Comunitário Jardim Santa Lúcia. Eles estão envolvidos na oficina de horta, um trabalho intergeracional da instituição.

O planejamento deste laboratório socioeducativo foi pensado para permear assuntos que resultassem também em mudança de comportamento. “Esta vivência entre gerações é muito saudável pelo conhecimento obtido, diferentes experiências trocadas e até divergências de opiniões. Conflitos acontecem, mas não deixam de ser produtivos”, mencionou Ricardo Moraes, coordenador geral do Centro Comunitário Jardim Santa Lúcia.

A horta tem sido um aprendizado para todos os envolvidos, independentemente da idade. As ações propostas seguem para além de um processo educativo. Unem todas as faixas etárias atendidas pela entidade e assim contribuem para o desenvolvimento da autonomia, sociabilidade e fortalecimento de vínculos sociais.

Ganhos para todos

A oportunidade de conhecer o que antecede um plantio, deu início às ações conjuntas. O trabalho prático começou com a criação de uma composteira, local para depósito de resíduos orgânicos. Nesta etapa, houve também o envolvimento dos funcionários da cozinha que preparam as refeições servidas na entidade. As crianças foram incumbidas de levar esse material até a composteira e junto com os demais, cobriram com terra ou folhas e grama secas. Um trabalho feito em equipe, no qual um depende da parte do outro.

Os insumos decorrentes da composteira foram aos poucos sendo inseridos na terra e as primeiras sementes foram plantadas. “A gente deixa as crianças plantarem do jeito delas para sentirem a emoção de ver brotar. Depois fazemos o replantio juntos, para que eles aprendam que as verduras precisam de espaço para crescer”, completou João Pinheiro, 68 anos.


João participa desta oficina desde o início, em 2016. Com as crianças conheceu e aprendeu um plantio mais saudável. Diferente da época dele, quando eram usados herbicidas e inseticidas. “Nós batemos as folhas de boldo no liquidificador e depois espirramos nas verduras da horta. O sabor é amargo e as lagartas não gostam”, conta Clara Daniele Martins, 9 anos.

Clara envolveu seus pais no que aprendeu. “Montamos uma horta em um latão lá em casa, e ela está ficando linda”, contou.

Dona Anita de Almeida Brito, 68, gosta de levar para a horta mudas de plantas que as crianças não conhecem. A ora-pro-nóbis ela trouxe de Minas Gerais. “As folhas desta planta são comestíveis. Ensinei as crianças que podemos comer cruas como salada ou refogadas em sopas e omeletes”, contou.

Hoje, todos notam a diferença na qualidade das verduras, ervas para chás e temperos. O que é colhido na horta passou a fazer parte do cardápio da instituição.

“Esta atividade é muito enriquecedora, pela troca da experiência dos idosos com a vontade das crianças de aprender. Eles são mais contidos, mas acabam se contagiando com a energia dos mais jovens. No momento em que estão juntos interagem, conversam e se ajudam”, destacou o coordenador geral do Centro Comunitário Santa Lúcia, entidade parceira da Fundação FEAC.

Mas o convívio não se limita aos canteiros da horta. “Aproveitamos a ação para fazer rodas de conversa entre todas as gerações. Os idosos relatam histórias da época em que tinham a mesma idade das crianças e jovens. Contam e ensinam jogos e brincadeiras. Sentem-se úteis ao transmitir seus conhecimentos. E durante as conversas, aprendem também com os mais novos”, exemplificou Ricardo.

Estas oficinas são apenas um meio para a busca de objetivos que vão além, tanto da entidade, quanto do serviço executado. “O resultado esperado sempre será do fortalecimento de vínculos por meio da convivência para ampliar o repertório de enfrentamento a situações de vulnerabilidade ou risco social, ampliando assim, seu alcance a rede de apoio”, contextualizou, Alann Scheffer Oliveira, assessor social do Departamento de Assistência Social da Fundação FEAC.



Via Razões Para Acreditar
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta