terça-feira, 25 de abril de 2017

Ellen Oléria - O Haiti



Quem viu, disse que não se emocionou, mentiu
Tentou mudar de assunto e não conseguiu
Entrou no quarto, lembrou, chorou 
e pediu pro céu pra não ver mais corpo civil
(x2)

Pro povo que pisa descalço naquilo que um dia já foi um asfalto
Pro povo que dorme apertado, 
mesmo sem ter nada acorda com medo do assalto
De noite tem medo de estupro e assassinato
Um caos que dura séculos na ilha do descaso
Além do efeito dos tremores da terra
O efeito de anos e anos de guerra
Desespero de quem nunca viu vida liberta
Será que é esse o fim da sua Nova Era, não?
Essa gente que também erra e a gente supera
Também é minha aquela pele preta
Também é minha aquela lágrima que cai na sarjeta
Aguenta
Há em ti, há em mim
Firmeza, ai ai

Hai Hai Hai Hai Hai
Hai Hai Hai
Haiti
Hai Hai Hai Hai Hai Hai
Hai Hai Hai
Haiti

Cinco dias debaixo do chão, fome e medo
Mas o segredo da sobrevivência vem desde o berço
Quem tem esperanca, espera
Mais uma fênix renasce da cratera
Permanece vivo na ilha de São Domingos
Num sorriso de suas meninas e meninos
Permanece vivo na ilha de São Domingos
Num sorriso de suas meninas e meninos

Quem viu, disse que não se emocionou, mentiu
Tentou mudar de assunto e não conseguiu
Entrou no quarto, lembrou, chorou 
e pediu pro céu pra não ver mais corpo civil
(x2)

Hai Hai Hai Hai Hai
Hai Hai Hai Hai Hai
Haiti
Hai Hai Hai Hai Hai Hai
Hai Hai Hai Hai
Haiti


Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta