terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Louvor do Revolucionário - Bertold Brecht


Quando a opressão aumenta 

Muitos se desencorajam 

Mas a coragem dele cresce. 
Ele organiza a luta
Pelo tostão do salário, pela água do chá 
E pelo poder no Estado. 
Pergunta à propriedade: 
Donde vens tu? 
Pergunta às opiniões: 
A quem aproveitais? 

Onde quer que todos calem 
Ali falará ele 
E onde reina a opressão e se fala do Destino 
Ele nomeará os nomes. 

Onde se senta à mesa 
Senta-se a insatisfação à mesa 
A comida estraga-se 
E reconhece-se que o quarto é acanhado. 

Pra onde quer que o expulsem, para lá 
Vai a revolta, e donde é escorraçado 
Fica ainda lá o desassossego. 


Bertold Brecht, in 'Lendas, Parábolas, Crónicas, Sátiras e outros Poemas'
Tradução de Paulo Quintela
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta