terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Estas bolas de futebol são capazes de gerar energia para abastecer casas sem eletricidade


Geralmente quando algumas bolas de futebol são doadas para uma cidade rural mexicana, isso não justifica a cobertura da imprensa.

Ainda em março passado caminhões de TV rodaram o estado de Puebla, para assistir a distribuição de 150 novas bolas. As câmeras estavam na mão porque estas bolas não eram produtos Adidas ou Nike. Essas eram bolas de futebol diferentes, construídas para transformar a energia cinética do jogo em corrente elétrica. Quando a carga suficiente é armazenada, a bola pode ser usada para vários dispositivos elétricos. Desde seu lançamento no ano passado, esta bola despertou muito interesse, atraindo a atenção dos Presidentes Bill Clinton e Barack Obama, entre outros, como uma ferramenta potencialmente poderosa para trazer luz a regiões do mundo onde a rede elétrica é pouco disponível.

“Soccket”, como a batizada, começou como um projeto de classe, desenhado por quatro estudantes de Harvard em 2008. Quando eles vieram com a ideia, professores e coordenadores locais disseram que seria impossível fazer algo leve, durável e funcional, mas os alunos continuaram em frente, executando os testes iniciais com uma bola de hamster. Eventualmente eles estabeleceram um sistema magnético deslizante. Um ímã desliza para frente e para trás dentro de uma bobina de indução estabilizada dentro da bola, armazenando a energia gerada em um capacitor. Isso fez com que eles conseguissem fazer três horas de luz LED com um jogo de 30 minutos.


Eles acabaram desenvolvendo um protótipo totalmente macio, apenas um pouco mais pesado que uma bola de futebol oficial FIFA. Em 2011, percebendo o potencial do seu produto, os amigos fundaram a Uncharted Play, uma empresa para desenvolver e distribuir a Soccket e outros produtos.

Nos últimos três anos, o quarteto fez da Soccket uma bola que não murcha, resistente à água e com uma capacidade mais elevada de gerar energia.

Eles também começaram a trabalhar em uma corda de pular e estão brincando com desenhos para bolas de futebol americano e um skate.

Após levantar com sucesso mais de meio milhão dólares em sites de crowdfunding, decidiram ampliar sua produção, com o objetivo de fabricar pelo menos 50.000 bolas para distribuição no Brasil, Costa Rica, El Salvador, Honduras, México, Nigéria, África do Sul, Tanzânia e Estados Unidos.

A luz parece ser uma coisa muito pequena para aqueles que podem acessá-la com a facilidade de um interruptor, mas historicamente não é bem assim que funciona. O advento da luz, está longe de ser simplesmente a quantidade de tempo que uma criança pode estudar a mais, ela está correlacionada com enormes saltos na capacidade produtiva da sociedade. Para as 1,3 bilhões de pessoas sem acesso à luz elétrica, mesmo uma simples tecnologia como a Soccket, pode fazer uma grande diferença no estilo de vida.


A CEO Jessica Matthews participou do TEDxRio+20 e falou sobre a empresa (ative a legenda em português):





A corda de pular também foi lançada:

Via Razões Para Acreditar
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta