sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Comunicado do Olodum - Cancelamento do festival Femadum 2017


A Diretoria executiva do Olodum vem a público comunicar o cancelamento do Festival de Música e Artes Olodum – FEMADUM 2017, que seria realizado neste final de semana, nos dias 21 e 22 de janeiro.
O FEMADUM é um evento público realizado anualmente pelo Bloco Afro Olodum para premiar os vencedores do festival de músicas do Bloco Olodum, premiar personalidades negras que ao longo de suas trajetórias de vida tem dado importante contribuição para a defesa, preservação e valorização da cultura, bem como da população afro brasileira.
O FEMADUM acontece desde 1980 e é realizado gratuitamente no Largo do Pelourinho para um público aproximado de 10 mil pessoas/dia. Do festival já participaram artistas consagrados das músicas baiana, brasileira e internacional, a exemplo de Daniela Mercury, Gal Costa, Margareth Menezes, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Luís Melodia, Emicida, Jimmy Cliff, Koko Dembele e Andrew Tosh, entre outros grandes nomes.
A principal razão que levou a diretoria do Olodum a cancelar o FEMADUM, é não termos conseguido captar os patrocínios necessários à sua realização, mesmo tendo aprovado pelo mecenato do Ministério da Cultura, um projeto de captação de recursos para viabilizar a nossa ação. Igualmente, não conseguimos os apoios necessários junto ao governo do Estado da Bahia e nem da iniciativa privada, que ao longo dos anos se constituíram em importantes parceiros do Olodum na realização do FEMADUM.
Diante das dificuldades, alteramos o planejamento e reduzimos os custos do FEMADUM e o faríamos com uma programação mais enxuta, curta e doméstica, contando apenas com artistas locais. A única atração não local seria o grupo argentino la catorce bis da argentina, que já se encontra em Salvador e tiveram todos as suas despesas custeadas pelo governo de Buenos Aires, que percebeu a importância do Femadum para ajudar a projetar para além das suas fronteiras, um grupo de cultura popular do seu país.
A crise econômica mesclada com crise política transformou-se um mantra para a negação de patrocínios para os projetos em geral, em especial para os projetos culturais e, mais diretamente, para aqueles relacionados à cultura negra.
Apesar disso, dois importantes eventos que estão acontecendo em Salvador no mesmo período do FEMADUM, nas mesmas datas, receberam, merecidamente aporte de recursos da Secretaria Estadual de Cultural, apesar da crise financeira.
São dois eventos de fato relevantes e que projetam o nome e a marca da Bahia e dos baianos para além das fronteiras do Estado e do Brasil e que, por isso mesmo, são mais que merecedores do patrocínio estatal. Na verdade, não são dois, mas sim, três eventos importantes e, o FEMADUM é o terceiro que igual aos outros dois também deveria merecer atenção especial do poder público estadual, por meio do patrocínio direto.
Então, se não contamos com a sensibilidade cultural e política dos gestores públicos baianos, nem da iniciativa privada, principalmente daquelas empresas que se beneficiam com as festas, optamos por cancelar o FEMADUM e privar baianos e turistas nacionais e estrangeiros deste importante evento da cultura afro-brasileira. Afinal, realizar o evento sem perspectiva de recursos financeiros, mesmo a longo prazo seria o mesmo que optarmos pelo suicídio financeiro e pela irresponsabilidade administrativa que inevitavelmente se refletiria mais à frente no calote a fornecedores, prestadores de serviços, bem como àqueles que trabalham diariamente nas organizações Olodum
A decisão de cancelamento do FEMADUM não se estende, a priori, aos demais eventos culturais do Olodum, a exemplo dos Ensaios de Domingo do Bloco Olodum, das Terças do Olodum e do desfile de carnaval.
Nos despedimos, pedindo desculpas aos baianos, aos nossos fãs, comerciantes formais e informais, aos admiradores e a todos os artistas, em especial aos argentinos, que haviam se comprometidos a participar do FEMADUM, que pela primeira vez seria realizado sem o pagamento de cachês e/ou ajuda de custos.

A direção;

Salvador – Bahia, 18 de janeiro de 2017.
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta