sábado, 3 de dezembro de 2016

Jamie Foxx produzirá série limitada sobre vida de Marvin Gaye


“A história dele sempre me fascinou”, diz o ator

Jamie Foxx irá transformar a brilhante e trágica trajetória pessoal e profissional de Marvin Gaye em uma série limitada para televisão. Ao lado de Suzanne de Passe e Madison Jones, da Passe Jones Entertainment, o ator norte-americano produzirá o projeto.

“Sempre fui um grande fã a minha vida toda. A genialidade da música dele é incomparável”, disse Foxx em um comunicado. “A história de Marvin Gaye sempre me fascinou.”

Berry Gordy Jr., fundador da Motown e responsável por assinar em 1961 o contrato de Gaye à lendária gravadora de Detroit, deu uma espécie de aval simbólico à produção da série: “Marvin era o artista mais verdadeiro que já conheci”, disse ao The Hollywood Reporter. “Estou confiante de que essa é a equipe certa para tornar pública a história dele de uma maneira autêntica e convincente.”

Como parte da Motown, Gaye encontrou sucesso comercial ao encarnar uma persona musical romântica, cantando em duetos com gente como Mary Wells e Tammi Terrell. Posteriormente, ele passaria a explorar temas como questões sociais e sexuais em alguns dos seus LPs, o que aconteceu com What’s Going On (1971) e Let’s Get It On (1973), respectivamente.

Depois de uma decaída comercial no fim da década de 1970, Gaye reencontrou o sucesso com Midnight Love (1982) que traz o hit “Sexual Healing”. Mas a história do músico terminou tragicamente em 1984, quando ele foi assassinado, aos 44 anos, pelo próprio pai.

Muitos atores, músicos e cineastas tentaram conseguir autorização para produzir uma biografia audiovisual do cantor. No entanto, Foxx foi o primeiro a ser autorizado pela família do cantor e compositor. “Esse projeto será uma forma poderosa e definitiva de contar a trajetória de Gaye”, disse Marvin Gaye III, filho do músico, que também será um dos produtores executivos do trabalho.

Suzanne produziu anteriormente diversos filmes e especiais televisivos sobre a história da Motown, como o documentário de mais de duas horas Motown 25: Yesterday, Today, Forever, de 1983, e também Motown 40: The Music Is Forever (1998). Ela e Madison estão discutindo com a Sony/ATV, que detém os direitos autorais de todas as músicas de Gaye, sobre quais canções poderão ser usadas na série.



Por Rolling Stone Do Rolling Stone
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta