sexta-feira, 17 de junho de 2016

Garçom grava clandestinamente uma mulher no banheiro. Clientes do bar ficam ao lado dele


Jovem denuncia funcionário de bar do Rio após flagrá-lo com celular

Com uma flor vermelha na orelha e o cabelo loiro e solto, Beatriz* terminava de se arrumar no banheiro do bar Tipicamente, na zona sul carioca. Colocou o batom, ensaiou alguns penteados, esticou o casaco e, quase sem querer enxergou através do espelho uma mão que entrava por uma fresta no alto da porta e segurava um celular. Estava sendo gravada. “É a violação da coisa mais básica, que é ir no banheiro de um bar e você é totalmente invadida”, lamenta a mulher de 35 anos.

Sua primeira reação, instintiva e nervosa, foi pegar o aparelho ainda gravando. Segurou o celular com força entre as mãos e ficou paralisada. “Foi aí que senti medo, sabia que atrás da porta ia estar o dono do celular. Uns minutos depois, quando consegui abrir, dei de cara com um garçom”, relata.

Beatriz correu até a porta do bar onde mais duas amigas a aguardavam. O garçom foi atrás dela e, primeiro, tentou arrancar das suas mãos o celular mas, depois, diante a fúria das três mulheres, pediu para não ligar para a polícia porque tinha mulher e filhos que sustentar. As jovens ligaram, e exigiram a senha do aparelho para verificar o que tinha sido gravado. O garçom, de 36 anos e com seu rosto estampado no fundo da tela, acabou cedendo mas elas não conseguiam achar os arquivos de vídeo. Enquanto mexiam nervosas no aparelho, os clientes do bar começaram a se manifestar.

“Havia um homem sentado com mais quatro mulheres que pediu para a gente pensar melhor o que estávamos fazendo, que íamos destruir a vida de um homem de família”, lembra Beatriz. “O gerente também apareceu e começou a questionar quantas éramos dentro do banheiro. Minha amiga o encarou e disse que não importava”. Por último, apareceu uma mulher com ar condescendente que pediu para elas contarem para ela a verdade e aí disparou: “Me digam, vocês estavam batendo siririca?”, usando o termo popular para a masturbação feminina.

“Ninguém nos acolheu, estávamos sendo culpabilizadas”, lembra Beatriz, que não consegue deixar de fazer um paralelo com o caso do estupro coletivo da jovem de 16 anos no Rio que chocou o país no mês passado. “Questionava-se que ela tinha um filho aos 12 anos, que usava mini saia, que gostava de bailes, parecia fácil julgá-la porque é uma realidade distante, de comunidade. Mas aqui, no jardim Botânico [ bairro nobre do Rio], as pessoas com nível superior completo se comportam da mesma forma. Essa cultura machista está em todas as esferas”, desabafa. “Tudo mundo ficou numa postura de ‘quem são essas loucas?’. Um por um foram desqualificando a situação. Se eu estivesse sozinha teria ficado acuada e não teria denunciado”.

Mas aí apareceram os arquivos de vídeo na tela do celular. O minuto que Beatriz usou para se arrumar e o ritual inteiro da sua amiga, que tinha entrado antes que ela, com suas nádegas em primeiro plano. Chegou a polícia, um grupo de jovens as aconselhou a ficarem tranquilas e não se deixar levar pela emoção para “não perder a razão”, e todos foram para a delegacia.

“Fomos bem tratadas, mas queríamos ser atendidas por uma mulher, pois minha amiga estava apreensiva porque apareciam suas partes íntimas nas imagens. Não havia. Um sábado à noite na delegacia do Baixo Gávea [movimentada região da Zona Sul] não havia nem delegado, nem mulher”, reclama Beatriz. Ovoyeurismo do garçom está contemplado no artigo 61 da Lei das Contravenções Penais como importunação ofensiva ao pudor e castiga-se com uma multa, pois é considerado contravenção e não crime.

É possível que em outro momento Beatriz não tivesse reunido a força de encarar o tarado, denunciar, investir quatro horas na delegacia, e falar com uma manada de jornalistas, mas acredita que, levantada a luta das mulheres contra o machismo e a cultura do estupro no Brasil, devia optar pelo caminho difícil. “Para mim era mais fácil deletar os vídeos e ir embora. Mas passo por tudo isso porque as pessoas não podem achar que isso é normal. Que não é normal que, depois disso, eu me preocupe em fazer xixi duas vezes no trabalho para evitar ter que fazer na rua, que não é normal que não haja mulher na delegacia, que não é normal a reação das pessoas”.

Aos jornais do Rio, o gerente do bar afirmou que o garçom não integra a equipe de funcionários do estabelecimento e apenas foi chamado para esse final de semana.


Via María Martín Do El Pais
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta