sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Reserva no Zimbábue recua após dizer que poderia sacrificar 200 leões


Reserva privada disse que, por enquanto, não é necessário.
Governo do país proibiu a caça em julho após a morte do leão Cecil.

A reserva privada Bubye Valley, no Zimbábue, estuda sacrificar cerca de 200 leões porque está a ponto de alcançar o limite de população e não pode utilizar a caça para regular a quantidade de animais, já que o governo decidiu proibi-la em julho após a morte do leão Cecil.
A medida gerou uma grande polêmica no Zimbábue, e o diretor da Bubye Valley, Byron du Preez, teve que se justificar. "O sacrifício foi discutido, mas por enquanto não é necessário", explicou nesta quinta-feira (25), em declarações à Agência Efe.

A opção que a reserva contempla é encontrar outro parque que aceite receber os felinos, como foi feito no ano passado com alguns rinocerontes da reserva de Malilangwe, que foram transferidos a Botsuana.

Segundo Du Preez, na reserva, de cerca de 3 mil quilômetros quadrados, há atualmente entre 503 e 522 leões, um número que só pode ser mantido se for permitida a caça de alguns animais,.

O problema é que os leões provocam uma queda de outras espécies, não só de suas presas naturais -como o facóquero, o cudo e a girafa-, mas também entre o resto de depredadores.

"Os leões são muito agressivos com a concorrência e não duvidam em matar leopardos, guepardos, hienas e qualquer outro predador que encontrem", alertou Du Preez.

Os leões são um tema muito sensível no Zimbábue desde que a morte de Cecil pelas mãos de um caçador americano foi manchete de todos os jornais internacionais.

Cada vez menos caçadores dos EUA visitam o Zimbábue, embora Du Preez considere que o arrefecimento econômico teve um impacto maior que a notícia sobre Cecil.

A população de leões na África se reduziu desde 200 mil em 1960 a cerca de 25 mil atualmente, segundo denuncia a organização Protecting African Lions, embora em Bubye Valley tenha ocorrido o efeito contrário, já que a população desses animais passou de 17 em 1999 a mais de 500.

 
Da Agência Efe
Via G1  
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta