terça-feira, 23 de setembro de 2014

Em artigo publicado no Jornal A Tarde (09/09/14), publicitário João Silva fala do Racismo na Bahia.

Racismo aqui, não!

Este mês de agosto foi marcado por inúmeros acontecimentos de intolerância em boa parte do mundo e também no Brasil, despertando em muitos a necessidade de combatê-la em suas várias versões.
Na última quinta-feira, dia 22 de agosto, foi lançada em Brasília uma coleta de assinaturas para projeto de lei de iniciativa popular que cria o Fundo Nacional de Combate ao Racismo.

Esta é uma especial oportunidade para a reflexão e para irmos além, rumo à superação de uma dívida herdada de quase quatro séculos de escravidão.

Vivemos em uma sociedade que tudo faz para esconder-se e negar práticas discriminatórias. Deste modo, dificultando a superação de nossos “males de origem”. 

Como esquecer que quando veiculamos a campanha do Instituto Maria Preta “Racismo aqui, não!”, em 2009 na Bahia, fomos questionados por inúmeros membros do governo do Estado (inclusive pelos poucos negros que frequentam os Palácios) de estar acusando o governo atual de racista. Será que eles acreditam mesmo em nossa igualdade racial? 
Racismo aqui Não - Sylvia's - Harlem - NY - dez/2010


O mesmo aconteceu quando colocamos um negro na campanha de pós-graduação em administração da UFBA, ou quando colocamos Mãe Stella de Oxossi em outdoor, Milton Santos, Luther King, Nelson Mandela e Obama. 


Muito significativo em tudo isso foi a minha experiência com o Sebrae/Bahia, na época cliente de nossa agência: a Maria Comunicação. Tínhamos alguns desafios, um deles: superar a meta da Feira do Empreendedor anterior, que havia conseguido abrir o evento com cerca de cinco mil pessoas já cadastradas para seus cursos, atraindo um público de pouco mais de 20 mil pessoas. A nova meta foi redimensionada para se chegar entre dez e quinze mil pessoas inscritas antecipadamente, objetivando um público total de 25 a 30 mil pessoas, preferencialmente Empreendedores Individuais. Era um enorme desafio, como se pode perceber, mas também uma grande oportunidade de destacar a força da cultura baiana.


Foi com este espírito que convidamos Carlinhos Brown, empreendedor baiano de significativa expressão, pessoa de sucesso e respeito em várias partes do mundo, com quem o baiano se identifica muito facilmente. Brown topou na hora, apenas demandou alguma contrapartida para seu projeto social no Candeal.


Enquanto apresentávamos o cronograma e o conceito a ser desenvolvido tudo era alegria. Mas quando abri a primeira peça estampando Carlinhos Brown em um fundo vermelho com texturas de Goya Lopes, eles tomaram um susto, desencadearam um verdadeiro embate. Ouvi coisas do tipo: ele é um grande músico, mas não traduz o pensamento, nem a cara do Sebrae. Ele é artista, não gerente, empreendedor.


Defendemos o que Brown representa, destacando que se trata de exemplo de grande empreendedor, como músico, empresário e ativista social, com grandes serviços prestados a Bahia e ao Brasil, um bom exemplo sim de uma nova geração que empreende. Tive que rebater a manutenção da estética cinza e azul do Sebrae, por entender que a ideia de terno e gravata não representava o povo baiano, que gosta de sol, praia e alegria. A Bahia não é a Avenida Paulista.

Jornal A Tarde - 09/09/2014
Por último, fiz uma pergunta recorrente ao longo de toda a minha vida profissional: - “por que ele é negro?”. Depois de um longo silêncio, ensurdecedor, veio a resposta: “não, não se trata disso…”.

Com muita luta os convenci de que a campanha dialogasse com os baianos, que tivesse a cara da Bahia.

Resultado: no dia da abertura do evento a Feira do empreendedor já havia superado a sua meta e atingido o número recorde de mais de 17 mil pessoas inscritas para cursos e palestras, antes mesmo da solenidade de abertura oficial e fechou com um total de 35 mil visitantes Acabou sendo eleita a melhor Feira do Sebrae do País, mais uma vez.

Não superestimo a propaganda, mas sei que a comunicação pode e deve contribuir com a sociedade, elevar a autoestima da população, além de vender o seu peixe, claro.
A minha alegria e contentamento foi perceber, que mesmo depois de alguns anos, já sendo atendido por outras agências, o Sebrae continua com Carlinhos Brown realizando a campanha da Feira.


João Silva – Publicitário, Diretor da Maria Comunicação (joaosilva@uol.com.br)
Postar um comentário

AS MAIS ACESSADAS

Da onde estão acessando a Maria Preta